17
Ago

Quintessência: vivendo em plenitude

Os quatro elementos da natureza sempre foram usados como metáforas de funções psíquicas básicas, tão percebidas e vivenciadas no nosso cotidiano comum. Aprendi a beleza e a importância de fazer estas correlações com psicólogos célebres como C.G. Jung e conhecendo os fundamentos das tradições sapienciais mais antigas da humanidade, como a Alquimia, a Astrologia, Povos Indígenas e a Medicina Chinesa. Há muito a humanidade olha para a saúde de um organismo a partir da sua vivência dos quatro elementos.

Refazendo o caminho das correlações com a psicologia, podemos compreender o simbolismo dos elementos assim:

Água - vida emocional, o fluir das emoções, as ondas afetivas que nos atravessam. A água do lago, estável, profunda, a água do rio que corre com força, a água do pântano, aquela que ferve no fundo da Terra e a água que se expande e está em tudo, que é a própria vivência da totalidade.
Vivemos nossas emoções em todas estas modalidades (e muitas outras). E também vivemos as barreiras, as represas, as enxurradas. Assim é a nossa vida emocional, um misto de fluidez e recolhimento.

Terra - representa o nosso contato com a doce e dura realidade, com a matéria concreta, com o corpo físico. Terra é fertilidade, é aridez, é secura e é lama. É pedra, é pó...de onde viemos e para onde voltaremos.

Ar - é correlacionado com o pensar, com o mundo das idéias, do conhecimento. É vento, vendaval, é brisa suave. O ar é também aquilo que o Ser Divino soprou nas narinas no primeiro homem (ruah, o sorpo divino)...consciência, inteligência, e na sua mais alta forma, é Sabedoria.

Fogo - é a chama que nos anima, a alma, a vitalidade. Está muito relacionado com a intuição, a conexão com o Eu Superior. Há a fagulha, que principia, que inicia. Há a lareira, que aquece e aconchega, que impede que congelemos. Mas há também a lamparina, fogo estável e maduro, que ilumina os caminhos, que nos conduz nos caminhos tortos e difíceis da compreensão sobre as coisas da vida e do universo.

E tem o quinto. O termo "Quintessência" é utilizado na Alquimia para nomear o chamado "quinto elemento". Não se trata de um elemento em si, mas o resultado do encontro de água, fogo, terra e ar. É aquilo que se forma a partir do equilíbrio dos quatro elementos. É uma experiência, não é uma matéria.
 

Podemos acolher aqui esta figura da Quintessência para nos auxiliar a compreender o que acontece quando damos consistência e desenvolvimento às quatro funções listadas acima.

Quando mergulhamos com coragem nas profundezas de nossas emoções, quando observamos atentamente o fluxo e os padrões de nosso pensamento, quando investimos em colocar os pés no chão vivendo de acordo com os limites da realidade, e por fim, quando nos mantemos conectados com a chama que anima nosso peito e silenciosamente nos coloca no rumo a seguir, podemos vivenciar o que os antigos alquimistas chamavam de Quintessência.

Vivenciamos uma experiência de plenitude, de inteireza, de equilíbrio, de saúde. É claro que esta experiência (como tudo na vida humana) não é um estado fixo, mas uma caminhada, uma dança, um movimento de aproximar e distanciar...assim como a idéia de felicidade. É dinâmica, é pulsante, descontínua, não é estática, não é lugar a atingir.

Como eles se apresentam em mim?
Em que situações predomina o fogo ou o ar?
Com qual elemento/função tenho mais dificuldade de lidar?
Tem algum que nem sei onde está?
Como posso conhecê-los melhor no meu funcionamento?