14
Jul

Notas sobre o meu sabático - A difícil arte de parar (1)


Sabático vem de uma prática muito antiga de deixar a terra descansar por um tempo depois de um ciclo de fertilidade. Serve para que ela retome sua potência geradora de vida, se reequilibre, se apazigue. O que vale para a terra, vale para os Homens. Como disse no post anterior, chega um dia que parar é a única coisa digna e saudável a se fazer.

Fiz esta opção. Não de "dar um tempo com propósitos claros e bem definidos" como fazem os grandes executivos e intelectuais, mas de parar mesmo. Parar tudo. Parar o mundo para eu descer!!

Saí do mundo, rasguei a agenda, coloquei minhas relações em stand by, vendi minha parte na empresa, saí dos grupos que participava, mudei de celular e de email...desapareci!

Comecei uma "desintoxicação" das coisas que me desumanizaram, que me levaram a viver de um jeito que eu não queria, a comer o que não gostava, a acordar antes do cansaço ter ido embora, a conviver com pessoas que não me diziam nada. Corri, neste momento, o risco de ser injusta com as pessoas que gostava, que faziam todo sentido na minha vida, que adorava estar perto, quando me afastei deste jeito, virando uma hermitã. Mas logo percebi que aqueles que me gostavam mesmo e me conheciam mesmo souberam entender e respeitar meu silêncio e minha ausência.
Não deixaram de me sentir, como não deixei de sentí-las.

Foram elas, as pessoas que gosto, que me ensinaram que quando a gente não se abandona, a gente também não é abandonado.