29
Set

Carreira ou vocação - qual o meu chamado?



"Vou seguir o chamado, onde é que vai dar, onde é que vai dar...não sei"
(Marina Lima)

O que estou fazendo aqui? Qual é minha missão? Pra que, afinal, eu sirvo?
São perguntas que normalmente as pessoas se fazem, em algum momento da vida...ou por toda ela. No meu caso, elas sempre me acompanharam, e continuam sussurrando ao meu ouvido. Não por acaso, meus alunos, as pessoas que chegam até mim no consultório, quase todos ao meu redor se perguntam (e me perguntam) isso. Afinal, qual é minha verdadeira vocação?

Aprendi com uma grande mestra minha que vocação é, antes de tudo, UM CHAMADO. Um chamado vindo direto da alma, do mais profundo e mais alto, algo que vive em mim e que se for escutado pode passar a me conduzir pela vida afora.

Aprendi também, no estudo da Astrologia, que carreira/trabalho é uma coisa (casas 6 e 10) e que vocação é outra coisa (casa 12). E que se a gente trabalhar muuuuuuuuuito em nossa consciência e a exercitar uma escuta amorosa do nosso coração, em algum momento da vida é possível aproximar essas coisas para que caminhem um pouco juntas, na medida do possível.

Ouvi uma vez, há muito tempo, que Deus nos conta o segredo sobre a nossa verdadeira vocação através de discretos "avisos". É um frio na barriga quando estamos diante de algo, é um arrepio, uma lágrima que cai, uma gostosa sensação de finalmente chegarmos em casa. Isso faz todo sentido pra mim!

Percebo que quando me aproximo de algo que considero relacionado com o meu caminho nesta existência, "escuto" este chamado por meio de um "algo diferente" que acontece dentro de mim...uma certeza, vinda de não sei onde, de que aquilo ali é muito familiar pra mim, que faço isso desde sempre, de que não faço força para testemunhar habilidades brotando de mim e saindo em direção à determinados tipos de experiência.

Apesar de prestar atenção nisto há anos, há momentos nos quais ainda me sinto caminhando no nevoeiro...Algo em mim sabe que este é o meu caminho, mas não enxergo um palmo à minha frente! Minha visão e minha mente não ajudam.Com elas me perco de mim.
Só consigo seguir em frente se confio no meu coração (que me diz baixinho no ouvido que é por aí mesmo) e se acolho os sinais que minha alma dá.

E quando me entrego ao chamado da minha alma e supero o medo e a necessidade de certezas, passo a experiementar a vivência do pegrino.

O peregrino é aquele que diz que quando ele se entrega e se permite "tonar-se UM" com seu caminho, o esforço deixa de ser necessário e é o próprio caminho que passa a conduzir o caminhante...